O CD “Um olhar sobre o Lariô”, do Grupo Folclórico Lariô da Tartaruga comemora 13 anos de lançamento

O CD “Um olhar sobre o Lariô”, do Grupo Folclórico Lariô da Tartaruga comemora 13 anos de lançamento

No dia 07/07/07, coincidências cabalísticas a parte, esta data foi comemorada em grande estilo: estava saindo do forno o primeiro e até o momento único CD do Grupo Folclórico Lariô da Tartaruga.
O Clubinho da Tartaruga foi o cenário. A noite era de gala. O “Óscar” de Pirambu. Reuniu, além dos homenageados integrantes do Grupo Folclórico Lariô da Tartaruga, várias personalidades regionais. Nomes do folclore sergipano, artistas, músicos, jornalistas e boa parte da comunidade local.
Foram muitas emoções! Também prestigiaram as comemorações os designers gráficos idealizadores da capa e encarte do CD, personagens notáveis na região como Dudu do Cartório (in memoria), Idelfonso (in memoria), líder do Bacamarteiros, autoridades locais, voluntários e convidados especiais.
A noite iniciou com um cortejo pelas ruas da cidade, ciceroneados pelo Batalhão do Bacamarteiro de Aguada, Carmópolis/SE. Com seus tiros de bacamartes anunciaram o grande evento, que foi regado com um coquetel de comidinhas regionais, a exemplo do beiju molhado, pé de moleque, sarôio, má casado e outras iguarias preparadas por Missininha e a família de Aguilhadas, povoado de Pirambu.
O Banco do Nordeste enviou um representante, afinal o CD foi produzido com recursos do projeto encaminhado pela Bióloga Dayse Rocha, intitulado: “Unhas, Dentes e Canções em Defesa da Cultura” através do Programa BNB de Cultura, e teve como objetivo divulgar o Grupo Folclórico, visando o seu desenvolvimento sustentável e criando oportunidades para apresentações em outras regiões. O patrocínio incluiu a produção de mil cópias do CD com repertório que reuniu cantigas inéditas e tradicionais do grupo. Os recursos adquiridos com a venda dos CD´s foram revertidos integralmente para o Lariô da Tartaruga.
Este CD foi fruto de uma gravação ao vivo, em 2001, quando o Grupo participou da I Mostra de Música Sergipana em São Paulo, com o show “Lembranças de Pirambu”.
O Lariô segundo Dayse Rocha:
Com características próprias da região, o Lariô da Tartaruga mistura um pouco do Batalhão, samba de coco, Batuque e Cantiga de Roda. Os integrantes, em número de 20 pares, dançam ao som do ganzar, afoxé, atabaque, agogô e porca, obedecendo ao som do apito do mestre para a troca de damas durante a dança de roda. Os ensaios são realizados no Clubinho da Tartaruga e chegam a durar cerca de quatro horas seguidas. O grupo é formado por pescadores, aposentados, beneficiadoras de camarão, crianças e adolescentes com idades que variam entre nove e 80 anos. Quando as pessoas iam tapar casas de taipa, os amigos faziam mutirão. À noite, para garantir que a casa tivesse um piso compactado, todos se reuniam com seus instrumentos (pandeiro, um tronco oco com borracha de câmara de ar de pneu, e alguns improvisos) e pisavam firme, dançando o batuque, a brincadeira de roda e a brincadeira de par, sem hora para acabar. O grupo folclórico foi reorganizado a partir de 1995 com o apoio do Projeto Tamar/Ibama e Petrobras e, desde então, tem sido uma referência no folclore de Pirambu.
Muitos lembram com facilidade dos momentos em que começaram no Lariô. Jaci Rosa dos Santos, ou “Dona Jaci”, compositora e cantora, lembra parte da infância nas rodas da família. “Desde menina via minhas tias brincarem. Ficava sentadinha observando. Até que entrava. E isso dura até hoje. Não sei de onde tiro forças”. E brinca: “não pretendo parar, a não ser que eu faça outra ‘viagem’”.

Dayse Aparecida Rocha, é Bióloga, comunicadora popular da Rádio Serigy, e foi coordenadora do Lariô da Tartaruga de 1995 a 2009.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *