André Moura, secretário da Casa Civil do RJ, é condenado por improbidade administrativa

André Moura, secretário da Casa Civil do RJ, é condenado por improbidade administrativa

André

A Jusça de Sergipe condenou o secretário por participar de um esquema de corrupção. Moura teve seus direitos políticos suspensos por oito anos. A decisão ainda cabe recurso.

Por Pedro Figueiredo, RJ2

O secretário da Casa Civil do Rio de Janeiro, André Moura, foi condenado pela Justiça do Sergipe por improbidade administrativa. Na decisão, o juiz Rinaldo Salvino concluiu que Moura teria participado de um esquema que usou dinheiro público para fazer compras em um mercado e em uma peixaria no interior do estado nordestino.

Os desembargadores do Tribunal de Justiça do Sergipe confirmaram a decisão da primeira instância.

Segundo a decisão, o secretário, a esposa dele, Lara Moura, atual prefeita do município de Japaratuba, e o ex-prefeito do município de Pirambu, Juarez Batista, ficam com os direitos políticos suspensos por oito anos. Vale lembrar que o processo ainda cabe recurso.

Segundo a assessoria do secretário, André Moura não possui nenhuma condenação que impeça de exercer suas funções no Poder Executivo do Rio de Janeiro.

Homem forte no RJ
No último dia 23, André Moura foi nomeado pelo governador Wilson Witzel (PSC) como secretário da Casa Civil do Estado. Moura já havia ocupado esse cargo entre setembro de 2019 e maio de 2020.

Um dos objetivos do governo ao recolocar André Moura como chefe da Casa Civil era contar com a sua articulação política na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), para tentar barrar o processo de Impeachement contra o governador Wilson Witzel.

No pedido de impeachement, os parlamentares alegam que Witzel cometeu crime de responsabilidade ao faltar com probidade na administração pública e que o governador agiu de modo incompatível com a dignidade, a honra e o decoro do cargo.

No pedido, são feitas as seguintes acusações:

Compra de respiradores no combate ao coronavírus com suspeita de superfaturamento.
Construção dos hospitais de campanha, cuja licitação é investigada.
Suposto vínculo de Witzel com o empresário Mário Peixoto.
Revogação da desqualificação da OS Unir Saúde, que seria ligada ao empresário Mário Peixoto e está sob suspeita do Ministério Público Federal.
André Moura em Brasília

Deputado federal por dois mandatos, André Moura é integrante histórico do PSC e fez parte da tropa de choque do ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha. Também foi líder do governo Michel Temer no Congresso.

Filiado ao PSC de Sergipe, ele já foi prefeito da cidade de Pirambu, localizada naquele estado. Durante o exercício do mandato, Moura foi denunciado por formação de quadrilha e desvio de recursos públicos – ele ainda responde a esses dois processos no Supremo Tribunal Federal.

fonte: G1 RJ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *