Pendure o pano preto: as janelas são as novas ruas

Pendure o pano preto: as janelas são as novas ruas

por Felipe Pena *

Uma das justificativas para a falta de apoio ao impeachment no Congresso é a ausência do povo nas ruas. Mas como ir às ruas no meio de uma pandemia e com milícias fascistas armadas nas esquinas? Durante as comemorações do primeiro de maio, na falta das tradicionais manifestações populares, as centrais sindicais sugeriram colocar panos pretos nas janelas como alternativa simbólica. Foi uma boa ideia, mas não houve adesão em massa porque se tratou de um ato efêmero, limitado a um dia. Então, permitam-me sugerir um novo movimento, permanente e ainda mais simbólico.

Devemos colocar panos pretos nas janelas para sinalizar apoio ao impeachment de Bolsonaro. É uma forma simples de mostrar a adesão popular ao processo contra o presidente. Em época de pandemia, as janelas são as novas ruas. Pendure seu pano preto na janela, na varanda ou em qualquer área externa visível. Não precisa bater panela, gritar com o vizinho, nada. Apenas pendure o pano preto e deixe lá, indefinidamente. Aos poucos, veremos novas manchas negras pela paisagem urbana e, ao longo do tempo, ficará claro que há um clamor popular pelo impeachment.

As câmeras de TV registrarão o aumento de janelas decoradas com panos pretos. Fotografias tiradas de um dia para o outro serão o termômetro da adesão. A cada nova patada verbal do presidente, novas bandeiras negras vão se espalhar pelo país. E com a vantagem de representar a união em torno de um tema, já que não estamos falando de partidos, mas de uma vontade popular.

De acordo com a última pesquisa do Instituo Atlas, Bolsonaro conta com o apoio de apenas 26% da população. Mas essa pequena parte é violenta e barulhenta, o que intimida seus opositores, cuja reação acaba entrando no que a socióloga Noelle-Neumann chamou de espiral do silêncio. Um silêncio que, por ironia, pode ser rompido por um gesto também silencioso.

Pendure seu pano preto na janela para apoiar o impeachment do pior presidente de nossa história. Seu gesto salva vidas, seu gesto salva um país. As janelas são as novas ruas e elas precisam ser ocupadas.

*:Felipe Pena é jornalista, escritor, psicanalista e doutor em Literatura pela PUC-Rio.

fonte: Diario do Centro do Mundo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *